terça-feira, julho 03, 2007

A empregabilidade na primeira pessoa

Olá professor,
Sou um aluno que acabou o primeiro ano do curso de biologia marinha plano antigo e nao sei o que faça em relaçao a bolonha. Sei que o professor deu muitas reunioes em que tentou esplicar o processo de bolonha, suas vantagens e desvantagens. Infelizmente nao pode ir e por isso continuo com duvidas. A minha principal questao é se quando eu a cabar o curso de acordo com bolonha concigo arranjar emprego dentro da area que quero seguir, ou vo ter de fazer um mestrado? E se tiver de tirar mestrado os preços vao ser tao exurbitantes como agora ou vao diminuir? E se não aderir a bolonha quanto tempo tenho para acabar o curso ou seja quanto tempo vai demorar ate este fechar?
Espero antenciosamente pela sua resposta, boa sorte na espediçao
Francisco Pessoa
[nome fictício]


Francisco,

Antes de mais nada, permite-me que te aconselhe a melhorar bastante o teu português. Sobretudo com um apelido desses...

A questão do emprego é muito importante, mas não tem resposta fácil. A nível de toda a Europa uma das grandes questões é precisamente a da resposta que vai dar o mercado de trabalho aos novos licenciados. Só podemos esperar para ver. Os professores têm que se preocupar com isso, e esforçar-se para dotar os estudantes com as competências gerais que lhes permitirão enquadrar-se no mercado de trabalho. Uma delas é precisamente o domínio da língua, não só a portuguesa mas também pelo menos uma, idealmente duas, línguas estrangeiras. Os estudantes têm que fazer a sua parte, também, usando o tempo de estudo para pensar sobre a carreira que gostariam de seguir, procurar estágios em empresas, aprender a fazer currículos.

O mestrado é para quem quer seguir uma carreira de investigação. Deves pensar bem se é essa carreira que queres seguir, e nesse caso vale a pena o investimento. Se te preocupa sobretudo arranjar um emprego após a licenciatura, deves preparar-te e lançar-te nessa busca assim que acabares o curso, ou até mesmo antes. Mais tarde, com um rumo mais definido, poderás voltar à universidade para buscar um curso de pós-graduação numa área que te ajude a progredir em termos profissionais. E nessa altura o montante a pagar já não será visto em termos de extorsão, mas de investimento.

Espero ter ajudado. Sempre ao dispôr,

2 comentários:

Prof. Teresa disse...

Zé, que post tão esclarecedor. Fiquei estarrecida, como deves calcular, com a exp. escrita do rapaz. algumas faculdades começam a ter no 1º ano aulas para ensinar a lidar com o stresse. Talvez fosse bom um trimestre de escrita - científica ou não - e encontrar formas para os sensibilizar para as questões quer tão bem focaste. Mas "emprego" na área da Biologia??!! não soa nada bem, pois não?

José N. Azevedo disse...

Teresa,
Tocas em várias questões importantes.
A primeira é a necessidade cada vez maior de apoio e orientação aos estudantes. Muitas universidades têm já gabinetes desse género, e eu estou a empenhar-me para que a minha o tenha também.
A segunda são as graves deficiências de escrita dos alunos. Esse é um problema que tem que ser encarado de frente. Não são só os erros de ortografia: é, muitas vezes, a grave incapacidade de expressão e transmissão de ideias.
E, finalmente, a questão do emprego. Há oportunidades de trabalho para licenciados em Biologia, mas o mercado não está fácil para eles (como para muitos outros). E aí as universidades podiam fazer muito mais do que fazem agora, desenvolvendo estratégias para dotar os estudantes das competências gerais do licenciado. Na área da Biologia, as licenciaturas continuam a estar orientadas para o prosseguimento dos estudos (e portanto para a investigação), quando o paradigma agora é o da empregabilidade. E essa é uma fonte de ansiedade para os alunos.